Origem da língua crioula

Origem da Língua Crioula – A língua original de San Andrés!

A Origem da Língua Crioula da Colômbia vai muito mais além do que você possa imaginar, e para isso precisamos voltar ao passado.

A língua crioula local é chamada de Palenquero, mas é apenas uma entre várias outras que podemos encontrar no país que já foi colônia da Espanha aqui nas Américas.

Palenquero é uma das 68 línguas encontradas na Colômbia e é uma mistura de línguas espanholas e bantas africanas. Mas, com apenas alguns milhares de falantes, não foi fácil manter o idioma vivo.

Agora, os residentes de San Basilio de Palenque, querem garantir que a língua que definiu sua cultura não desapareça.

Um dos aspectos mais importantes de Palenque é a língua palenquero, de certa forma, é algo que foi trago da África, e hoje serva como símbolo de resistência para os moradores.

Caso queira conhecer mais sobre a Origem da Língua Crioula, leia conosco e deixe seu comentário caso possuir alguma dúvida. Vamos lá, leia conosco!

Primeira cidade livre nas Américas

Origem da língua crioula
San Basilio de Palenque

A pequena e sufocante cidade a 50 km da costa caribenha é talvez mais conhecida por Palenqueras, mulheres em vestidos coloridos que andam pelas ruas da turística cidade colonial de Cartagena, vendendo doces e frutas.

Mas Palenque tem outro legado. É a primeira cidade livre das Américas.

Foi fundada em 1603 por Benkos Biohó, que escapou da escravidão no final do século 16 e liderou uma rebelião para ajudar outros a escapar para o pé das montanhas ao redor de Palenque.

De acordo com a linguista Rutsely Simarra Obeso, mais de 70 línguas africanas já foram faladas em Cartagena, que era uma porta de entrada para o comércio de escravos.

Homens e mulheres negros de diferentes grupos étnicos que escaparam da escravidão criaram o Palenquero, uma língua crioula, para se comunicarem.

“Com a linguagem começou um exercício de resistência”, diz ela. “Quando você não permite que seu idioma desapareça, as gerações futuras terão informações sobre os elementos que definem sua identidade cultural, sua identidade étnica.”

E isso é algo que soa verdadeiro para os residentes de Palenque hoje, e não só para a região, como para várias outras localidades de toda a Colômbia, como San Andrés.

Com mais de 3.500 habitantes, a cidade é reconhecida pela Unesco em sua Lista Representativa do Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade por manter práticas sociais, religiosas, musicais e médicas tradicionais ⁠- de raízes africanas ⁠- e também a origem da língua crioula palenquero.

Perda de linguagem

Mas o idioma foi lentamente se distanciando da cultura que o criou: agora mais pessoas falam espanhol do que Palenquero na cidade.

De acordo com os dados mais recentes do governo colombiano de 2009, apenas 18% das pessoas eram fluentes nele e apenas 21% dos falantes de palenquero tinham menos de 29 anos.

Andris Padilla Julio, líder do grupo de rap Kombilesa Mi, que se apresenta em Palenquero e organiza oficinas gratuitas de linguagem, música tradicional e dança para crianças da cidade, diz que parte disso se deve aos moradores que enfrentam discriminação por falar sua língua nativa.

“Quando as pessoas ouvem palenqueros falando, para elas parece um espanhol mal falado porque não entendem. Mas isso está errado. E por causa disso, muitas pessoas pararam de falar palenquero quando saíram”, diz ele.

“Um pai ou mãe diria “não fale a língua para que eles não zombem de você, para que eles não riam de você.”

No entanto, desde a década de 1980, os residentes de Palenque pressionaram para reconhecer o valor de suas tradições culturais por meio da etnoeducação.

A língua Palenquero começou a ser ensinada na escola local, em homenagem a Benkos Biohó, na década de 1990 e hoje está protegida pela Lei da Língua Nativa da Colômbia de 2010.

Por causa de esforços como esses, estima-se que agora 20% a 25% dos Palenqueros falam bem a língua.

Uma linguagem de resistência

Origem da língua crioula
Estátua alta de bronze de Benkos Biohó

Em Palenque, uma estátua alta de bronze de Benkos Biohó se soltando de correntes domina a praça principal.

Existem também murais comemorativos do fundador pintados pela cidade, bem como outros retratando os tambores, que aparecem fortemente no festival anual de percussão da cidade.

“Agora as pessoas estão mais conscientes do que significa ser palenque”, diz o professor de línguas Bernardino Pérez Miranda.

E para ele, Palenquero ainda é uma linguagem de resistência. “Quando saio sempre falo em Palenquero, em Bogotá, em Cartagena, aqui e na frente dos brancos”, diz.

“É uma forma de mostrar aos outros que nossa língua tem o mesmo valor.”

Em uma oficina Kombilesa Mi, cerca de 50 crianças estão em uma formação de trem, segurando-se nos ombros umas das outras enquanto se movem pelas ruas de Palenque.

Eles dançam ao som dos tradicionais instrumentos de percussão e misturam as duas línguas, espanhol e palenquero, enquanto cantam.

“Eles são o presente, mas também são o futuro”, diz Padilla. “A ideia é seguir sempre em frente com a tradição de São Basílio de Palenque, para que nunca se perca.”